Menu fechado

Multas graves – A lista definitiva – Parte 03

Vamos agora a terceira parte da nossa lista definitiva de multas graves.

Artigo: 218, inciso II. Infração: transitar em velocidade mais de 20% até 50% superior à máxima permitida na via.

A velocidade é sempre um tema a ser discutido em relação as multas de trânsito. Aos motoristas, cabe a conscientização de que as velocidades máximas são estipuladas para garantir a vida em caso de acidentes, inclusive os causados por outros motoristas.

Nas vias de acesso rápido, os motoristas sempre devem respeitar os limites de velocidades indicados nas placas de sinalização. Mas se essa velocidade for flagrada sendo acima de 20% do máximo permitido, é gerada uma infração grave, cabível de multa e também contagem de cinco pontos na carteira nacional de habilitação.

E mesmo em casos de emergência, cabe ao motorista após realizar a infração avisar aos responsáveis pelo transito na região sobre o ocorrido, e sobre o que levou a cometer tal infração de trânsito.

A infração é considerada grave se a velocidade flagrada for até 50% maior do limite estabelecido. Caso a velocidade seja maior que 50%, é considerada uma infração gravíssima, que pode inclusive levar a cassação da carteira de motorista, e também a apreensão imediata do veículo.

Artigo 220, inciso II. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito nos locais onde o trânsito esteja sendo controlado pelo agente da autoridade de trânsito, mediante sinais sonoros ou gestos.

A responsabilidade de manter um ambiente seguro de transito não cabe somente as autoridades de transito. Também os pedestres e motoristas devem fazer de tudo para evitar quaisquer situações de perigo.

Para isso, ao se depararem com uma situação que pede uma redução de velocidade, os motoristas devem sempre adequar a velocidade praticada com a forma mais segura de proteger a todos que por ali irão passar.

Essa situação é muito comum em rodovias de difícil tráfego, como na subida da serra para o litoral, por exemplo. Nessas rodovias, é muito comum a presença de autoridades fazendo o controle dos veículos, para criar um ambiente seguro a todos que por ali passam.

A dificuldade que alguns carros enfrentam ao subir a serra, situações de nevoeiros ou mesmo a quebra de outros veículos na rodovia são situações que pedem a presença de autoridades para indicar um possível risco de acidentes.

Artigo 220, inciso III. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito ao aproximar-se da guia da calçada (meio-fio) ou acostamento.

Principalmente os motoristas menos experientes podem sentir dificuldades ao começar uma manobra de estacionamento. Além de indicar sempre com a luz indicadora, a famosa seta, o começo de uma baliza, cabe ao motorista adequar a velocidade com a situação especifica.

E mesmo os motoristas mais experientes devem sempre levar em consideração que os motoristas que estão atrás podem não ter notado que está iniciando uma manobra de baliza, o que pode causar uma situação de perigo. Nesse caso, o motorista que está iniciando a baliza deve sempre andar com a velocidade mais baixa possível, para que todos que estão por perto perceberem sua intenção de estacionar o veículo.

Artigo 220, inciso IV. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito ao aproximar-se de ou passar por interseção não sinalizada.

Infelizmente, muitas vezes nos deparamos com vias mal sinalizadas, ou mesmo sem alguma sinalização. Nessas situações, cabe sempre ao motorista se antecipar a qualquer situação de perigo, e reduzir ao mínimo seguro sua velocidade para manter sempre um ambiente seguro por todos que por ali trafegam.

Em rodovias ou mesmo rotatórias sem a sinalização devida, os motoristas devem sempre considerar que os outros que por ali passam podem considerar que não são obrigados a parar, e por isso devem sempre, mesmo que não seja sua obrigação, reduzirem a velocidade.

Artigo 220, inciso V. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito nas vias rurais cuja faixa de domínio não esteja cercada.

Essa mesma atitude deve ser seguida pelos motoristas que trafegam pelas estradas rurais. Mesmo em rodovias onde se pensam que haja um tráfego menor de acidentes, toda precaução por parte dos motoristas é essencial para criar um ambiente seguro para pedestres, outros motoristas e também animais que por ali trafegam.

Artigo 220, inciso VI. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito nos trechos em curva de pequeno raio.

No Brasil, infelizmente existem muitas estradas mal projetadas, e que acaba refletindo em curvas mal planejadas, onde o motorista precisa realmente se esforçar para se manter dentro da pista.

Além da observação especial a todos que por ali passam, também deve-se ter cuidado com os veículos que estão vindo na mesma direção, que podem não perceber a dificuldade de realizar perfeitamente tal curva. A sinalização com seta e a diminuição gradual da velocidade são ações básicas que devem ser tomadas por todos nessa situação.

Artigo 220, inciso VII. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito ao aproximar-se de locais sinalizados com advertência de obras ou trabalhadores na pista.

Principalmente as obras nas rodovias ajudam a criar um ambiente inseguro para os trabalhadores, e também aos motoristas que por ali trafegam. Mesmo que essas obras sejam sinalizadas com pessoas fazendo gestos ou mesmo inúmeras placas de transito avisando sobre as obras a frente, é importante a conscientização de que nem todos os motoristas estejam atentos a esses sinais esporádicos.

Artigo 220, inciso VIII. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito sob chuva, neblina, cerração ou ventos fortes.

Muitas vezes nos deparamos com situações de difícil observação da pista a frente. Chuva, neblina, vendavais e também a grande ocorrência de trovões podem dificultar a correta direção na estrada, levando a um ambiente de elevado risco.

Nesse caso, muitas vezes além da redução obrigatória de velocidade, também deve ser considerada a espera em um local seguro, até que essa situação de perigo pare totalmente.

Artigo 220, inciso IX. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito quando houver má visibilidade.

Como no caso anterior, o motorista deve sempre criar um ambiente seguro de transito, para que não haja acidentes. E isso é conseguido somente com a diminuição de velocidade nas condições adversas de trânsito.

Artigo 220, inciso X. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito quando o pavimento se apresentar escorregadio, defeituoso ou avariado.

Pistas molhadas são verdadeiras situações de perigo para os motoristas. Quando um motorista se depara com essa situação, deve sempre dirigir da forma mais cuidadosa possível, para que seu veiculo não saia da pista, ou mesmo se colida com os veículos próximos.

Artigo 220, inciso XI. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito à aproximação de animais na pista.

Principalmente em estradas rurais, a presença de animais na pista deve sempre ser considerada. Bois, vacas e mesmo pequenos animais como coelhos silvestres e cachorros podem invadir a pista sem a nossa percepção imediata, causando assim um cenário de enorme perigo, não somente para o animal, mas também para todos os passageiros.

Ao andar por pistas que são conhecidas por trafegarem animais, os motoristas devem sempre se manterem atentos animais que estão nas margens da rodovia, pois isso pode indicar que há outros animais que desejam fazer a travessia.

Artigo 220, inciso XII. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito em declive.

Nas estradas, muitas vezes os motoristas se encontram situações de grande declive, que podem levar a muitos deles quererem acelerar mais do que é necessário, trazendo assim um risco desnecessário a todos os veículos, inclusive os que vem na mesma direção.

Nessas situações, o motorista deve sempre manter algumas atitudes que reforçam a segurança de todos, incluindo:

  • Manter uma distância segura do veículo da frente;
  • Em hipótese alguma deixar o carro sem uma marcha engatada, a famosa “banguela”
  • Tirar os olhos da estrada, seja para mudar a estação de rádio ou mesmo para visualizar alguma mensagem ao telefone.

Artigo 220, inciso XIII. Infração: deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito ao ultrapassar ciclista.

Assim como nos casos citados anteriormente, cabe ao motorista se atentar a garantir a segurança dos ciclistas.  Por estarem em veículos com poucos recursos de segurança, para os ciclistas, todos os acidentes sempre trazem enormes riscos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *